Escolher novamente o bisonho Aras está entre prerrogativas de Bolsonaro. Por Maringoni

Publicado originalmente no perfil do autor.

Jair Bolsonaro e Augusto Aras, reconduzido ao cargo. Foto: Agência Brasil
Um governante nunca deve criar problemas para si próprio, ao contrário. Nunca deve ceder às poderosas corporações que se formam dentro do Estado e que usualmente buscam se autonomizar do poder político. É o caso da indicação de titulares da procuradoria-geral da República, por exemplo.
A escolha a partir de uma lista tríplice definida pela corporação nada tem de democrático. Aliás, pode ser seu contrário. Os presidentes petistas caíram nessa armadilha e colocaram notórios quadros da direita na PGR, como os inesquecíveis Roberto Gurgel e Rodrigo Janot, udenistas e lavajatistas de carteirinha. Ambos deram contribuições inestimáveis para as classes dominantes.
Mais inteligente foi John Kennedy, que escolheu o irmão Robert para função equivalente nos EUA. Ou FHC, que chamou Geraldo Brindeiro para a tarefa.
Critiquemos Bolsonaro por seu fascismo negacionista, por sua sucessão de crimes e por seu golpismo renitente. Mas não por valer-se das prerrogativas inerentes ao cargo. Escolher novamente o bisonho Augusto Aras está entre essas prerrogativas.
Não caiamos novamente no caricato republicanismo tosco.

Deixe um comentário

Receba nossas notícias pelo Telegram

Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com